quinta-feira, 24 de setembro de 2009

DECLARAÇÃO



As aves, como voam livremente
num voar de desafio!
Eu te escrevo, meu amor,
num escrever de libertção.

Tantas, tantas coisas comigo
adentro do coração
que só escrevendo as liberto
destas grades sem limitação.

Que não se frustre o sentimento
de o guardar em segredo
como liones, correm as águas do rio!
corram límpidos amores sem medo.

Ei-lo que to apresento
puro e simples - o amor
que vive e cresce ao momento
em que fecunda cada flor.

O meu escrever-te é
realização de cada instante
germine a semente, e rompa o fruto
da Mãe-Terra fertilizante.

António Jacinto

7 comentários:

Graça Pereira disse...

Penso que ver as gaivotas aumentadas Lindissimas) é ver esse amor agigantar-se e fugir de todas as grades. Um bom prenúncio para o começo de um bom fim de semana. Um beijo Graça

Eliana disse...

BOA TARDE, Eduardo

"Tantas, tantas coisas comigo
adentro do coração
que só escrevendo as liberto
destas grades sem limitação."

Quem não tem? Feliz de quem consegue expressar, de alguma maneira, tudo que carrega dentro de si.

Um final de tarde abençoado para vocês,
Fiquem com Deus,

Gaspar de Jesus disse...

Lindos Poemas!
Lindas Fotografias!
É sempre um prazer passar por aqui!
Abç
G.J.

Sonia Schmorantz disse...

É uma linda declaração! Teu bom gosto está notável.
te amo
beijo

Menina do Rio disse...

Já tive o prazer de ler alguns poemas de António Jacinto e tuas imagens, bem, nem preciso dizer o quanto elas prendem o olhar...

Fica com um beijo

gaivota disse...

quase me apetece roubas todas estas gaivotas!
beijinhos

Deusa disse...

toc toc toc ....
vim aqui te visitar e encontro estes vôos desafiantes !..RSSR
Parabens ...
LINDO DE VERDADE !!