quinta-feira, 5 de novembro de 2009

VENTO

Clique nas fotos para ver no tamanho real


Não queira dizer o que eu sinto,
Não se imponha ao meu coração,
Sou o que sempre fui, " o vento ",
Que sopra nos corredores do labirinto.

Quem me viu, nas montanhas andou,
Nos altos montes sentiu meu toque
Brisa ou vento leve soprou...
Mas nunca, na verdade me tocou.

Não sou mais o vento do mar,
Que sopra os casais no calçadão...
Sopro a verdade doída no ar
E por ela me caçam sem perdão.

Se me sente tua pele tocar,
Respeite minha natureza,
Não tente a mim trancar
Não tenho imagem, ou beleza...

Sou apenas a brisa constante,
pura força e sutilesa
Ainda que me queira amante,
sou peso da dor, do amor a levesa...

Mando Mago Poeta

7 comentários:

Eliana disse...

BOM DIA, Eduardo

Que bela postagem.
Deus é justo. Só isso.

Um abençoado dia para vocês,
Fiquem com Deus,
Abraços,

Gabi disse...

Olá Eduardo, poemas lindos como sempre. Peço desculpa por andar afastada há já algum tempo, (nos comentários claro, porque no que toca em acompanhar o blogue o caso é diferente :) ). Um beijo amigo.

Daniel Costa disse...

Eduardo

Vi bonitos ângulos de paisagens e li um maravilhoso poema de Mando Mago Poeta.
A Ilha é sempre um mundo de encantar, pelos habitantes, pela poesia e pelas paisagens.
Um abraco,
Daniel

Agulheta disse...

Eduardo! Belo o poema como sempre por aqui,as fotos de igual forma.Desejo bfs e Abraço de amizade
Lisa

AFRICA EM POESIA disse...

Eduardo


Vim responder e agradecer a visita.
Esta semana foi dificil.
Ser professor nesta altura é muito difícil.

Um beijo e o meu baú



O MEU BAÚ...


Meu baú encantado...
Meu baú bem fechado...
Meu baú que ficou lá...
Mas que eu o imagino cá...
.........
No meu baú...
............
Os meus sonhos...
As minhas vestes...
Os meus brincos...
Os meus laçarotes...
As minhas bonecas...
...........
No meu baú...
.........
Os meus beijos...
Os meus desgostos...
As minhas loucuras...
.......
No meu baú...
.......
Fechado a sete chaves...
Eu olho para longe...
E sei que o meu baú...
É também igual...
A uma caixinha de Pandora...
...

E nada mais...
E não o abro...
Porque quero que o sonho...
Continue...
Perdure para sempre...
E nunca se desfaça...

LILI LARANJO

ONG ALERTA disse...

O vento nos leva a percorrer caminhos...sua brisa nos faz sentir...paz.

Deusa disse...

olaaaaaaaaa Eduardo

Vim aqui te visitar , apreciar a linda paisagem e ler suas poesias
Sempre muito bom passar por aqui
Abraço Apertado