terça-feira, 22 de junho de 2010

DEVANEIOS DA INSÔNIA

O que faz eterno o instante
em que você ressurge da noite
coroada a face de sorrisos
é o que me diz o amanhecer
dos lírios de como já nasci
de braços abertos.

Já falei a você das folhas que caíram
e do sofrimento levado pelo outono
deixado em cada sombra de seu rosto.

Já mostrei como do fruto renovado
o renascimento da vida é infinito
como o cio das cigarras é o destino
que se cumpre no silêncio da resina.

Você consome o canto e os sonhos
e os mistérios a esmo desvendados
e deixa esse sinal de impenetrável
ausência nas minhas mãos vazias...

Mas onde houver a paz dos rios
tangidos pelos caminhos bebidos
de minha boca, eu irei beirando
as margens inventariadas no rol
dos padecimentos...

Só me resta esperar que esta noite
você volte a embalar com beijos
meu sono perdido...


A. Estebanez
 

7 comentários:

RETIRO do ÉDEN disse...

Bonito...um bom dia por aí.
Abraço
Mer

Isa disse...

Bom Dia, meu Amigo.Fascinada com as suas fotos!
Lindas!
Beijo.
isa.

tossan® disse...

Pois é não dorme e não deixa dormir..rsrsrsr...As fotos são magníficas! Abraço

Agulheta disse...

Um pouco ausente por aqui por motivos de mini-férias.Como sempre belas são as palavras e tanta arte nas fotos.
Beijinho

Malu disse...

Fazia tempo que não passava por aqui, Eduardo.
Mas como sempre encontrei um poema delicioso para refazer-me a tarde que logo vem...
Beijinhos

Malu disse...

Fazia tempo que não passava por aqui, Eduardo.
Mas como sempre encontrei um poema delicioso para refazer-me a tarde que logo vem...
Beijinhos

in natura disse...

Sim você tem os braços abertos e tive a prova disso. Generoso e
amigo. Que Deus te abençoe. Lindas fotos Eduardo parabéns por ser grande homem e um ótimo fotografo. Beijuss