terça-feira, 30 de novembro de 2010

PARA TI

Foi para ti que desfolhei a chuva
para ti soltei o perfume da terra
toquei no nada
e para ti foi tudo
Para ti criei todas as palavras
e todas me faltaram
no minuto em que talhei
o sabor do sempre
Para ti dei voz
às minhas mãos
abri os gomos do tempo
assaltei o mundo
e pensei que tudo estava em nós
nesse doce engano
de tudo sermos donos
sem nada termos
simplesmente porque era de noite
e não dormíamos
eu descia em teu peito
para me procurar
e antes que a escuridão
nos cingisse a cintura
ficávamos nos olhos vivendo
de um só amando de uma só vida.


Mia Couto
 

7 comentários:

tossan® disse...

Fala Eduardo! Tudo bem? O o poema é muito bonito e as fotos são sensacionais!
É bom acordar de madrugada como antes e apreciar o teu blog. Vou tomar uma taça de vinho em tua homenagem antes de dormir de novo. Saúde. Abração

Luís Coelho disse...

Mia Couto e os seus poemas cheios de vida.
Aqui faltam as palavras para dizer o que me dói cá dentro do peito.

Está tudo bem por aí...?
Saudades da vossa passagem no lidacoelho.

Abraço de amizade e respeito.

Sonhadora disse...

Eduardo
Um poema magnifico, adoro Mia Couto, as imagens como sempre lindas.

deixo um beijinho
Sonhadora

Malu disse...

Que dizer de Mia Couto? Posso dizer que fez uma bela postagem...
Abraço, amigo

Luis disse...

Caríssimo Amigo Eduardo,
Boa escolha esta do poema de Mia Couto.
Como sempre os seus post's são acompanhados de belas fotos que refletem o seu amor à água e tudo com ela ligado.
Um forte e amigo abraço.

Sotnas disse...

Olá Eduardo, desejo que tudo esteja bem contigo!
Belíssimo poema de Mia Couto demonstrando assim ter bom gosto. Além de fazer belas fotos, Parabéns pelas imagens e pelo texto, agradável por demais vir ao seu blog! Desejo pra você e todos ao redor tudo de bom sempre, grande abraço e até mais!

☆Fanny☆ disse...

Excelente escolha. Mia couto é fabuloso!

As imagens são um verdadeiro sonho Dá vontade de pegar as asas das gaivotas e voar por esses horizontes tão belos.

Beijinho*