segunda-feira, 22 de agosto de 2011

A MINHA VIDA É


A minha vida é o mar o Abril a rua
O meu interior é uma atenção voltada para fora
O meu viver escuta
A frase que de coisa em coisa silabada
Grava no espaço e no tempo a sua escrita.

Não trago Deus em mim mas no mundo o procuro
Sabendo que o real o mostrará.

Não tenho explicações
Olho e confronto
E por método é nu meu pensamento
A terra o sol o vento o mar
São a minha biografia e são meu rosto.

Por isso não me peçam cartão de identidade
Pois nenhum outro senão o mundo tenho
Não me peçam opiniões nem entrevistas
Não me perguntem datas nem moradas
De tudo quanto vejo me acrescento.

E a hora da minha morte aflora lentamente
Cada dia preparada.

Sophia de Mello Breyner Andresen

5 comentários:

gaivota disse...

sophia de mello breyner, uma grande senhora com excelentes poemas...
beijinhos

Sotnas disse...

Olá Eduardo, que tudo esteja bem contigo!

Belos poemas sempre acompanhados de belas imagens tuas, parabéns!

Grato por tuas visitas e u desejo a você e todos ao redor intenso e feliz viver, abraços e até mais!

tossan® disse...

Isso que é poema! Excelentes fotos! Todas! Abração

Amor feito Poesia disse...

Tua presença é constante
a saudade permanente;
vejo-te nas estrelas
sinto a tua luz...

Marisa de Medeiros

Amor & Paz prá voce! M@ria

R.Ferrari disse...

Ola Eduardo.
tenho tido quase nada de tempo para visitar os blogs amigos.
Passar por aqui é sempre garantia de ver trabalhos de grande qualidade.
a tua foto de entrada é simplesmente fantastica. Parabéns.
Mas o nosso gremio em . . . .?

abraços.