terça-feira, 4 de março de 2008

LUZES

Busca, vagamente garimpeiro
Nas pedras do mar, as ostras,
E nelas o que ainda seja pérola,
Nela o que ainda seja alegria
No imenso oceano de naufrágios.
Porém, não mergulhes profundo.
Não alimentes mágoa na sombra.
Estar na escuridão não é fuga...
Se a luz tocar o rosto, as mãos
O rosto, as mãos serão luzes e
Emergirão clarão amanhecente.
Antonio Miranda Fernandes

Um comentário:

LILICO disse...

Eitcha casal do barulho,heim?! Parabéns Dudu. Lenha na fogueira.Abraço. Oliveiros/Soriévilo