domingo, 28 de dezembro de 2008


O céu fareja a lua
uma escuridão se faz subir
Há névoa nos picos das montanhas
espelho do céu se faz a terra
A brisa dá sua frescura
um torpor rodeia de leve
minha alma no céu asas a bater
a reluzir branca na escuridão
assaltam as estrelas simples e puras
Dobra o céu a olhar a lua
a mergulhar no horizonte
Melodia em perfume intenso
rompe as narinas da alma
A saudade dissolve e vai-se...

http://poemasrosanadoce.blogspot.com

Um comentário:

Salamandra disse...

Olá
reparei que é está no meu blogue pois seja bem vindo.
Vim pois retribuir a visita e fiquei fascinada belo poema.
Desejo-lhe um Excelente 2009 que consiga realizar todos os seus sonhos.

Um abraço de alma
Salamandra