sábado, 31 de outubro de 2009

CAMPO DE MEDITAÇÃO

Clique nas fotos para ver no tamanho real


As estradas que sempre iam,
continuam indo, a despeito de mim
que por hora estou voltando...

Mas quando não houver
mais estradas para quem vai,
suave será a carona dos riachos
que são estradas feitas de lágrimas
de saudade dos amores viajados.

Continuarão, como os dias e as noites,
na direção do reino do nunca mais...
E como as rosas num leito de orvalho,
é possível que eu me reencontre comigo
em qualquer curva do crepúsculo
para o vasto espanto das manhãs
que terei deixado para trás...

E não posso evitar que seja assim:
as estradas levando a memória
do quanto eu ando de rosas
nas veredas do meu jardim...

Afonso Estebanez

11 comentários:

R.Ferrari disse...

Ola Eduardo.
Obrigado por sua visita e por seu gentil comentário.
É sempre bom ter amigos. Amigos se formam compartilhando preferências, atividades, e por ai vai...
Hoje eu minha familia passeamos no Pantano do sul, Solidão e terminamos jantando na Lagoa da Conceição. Acredito ser na Lagoa o seu reduto.
Eu moro no Estreito.
Um grande fim de semana para o amigo, junto com seus familiares.
E da-lhe Gremio.
Abraços.

HSLO disse...

Queria muito está nesse campo de meditação viu...


abraços

Hugo

Eliana disse...

BOA NOITE, Eduardo

Vim meditar um pouco nesta Lagoa, pois é um lugar privilegiado para isso.

Obrigada por trazê-la até nós, mesmo por fotos, pois quem não pode desfrutar do real, pode contentar-se com o imaginário.

Uma abençoada noite para vocês,
Fiquem com Deus,
Abraços,

Layara disse...

...Lindissimo Poema!

a estrada sempre nos leva
além, as vezes da saudade do que ficou, as vezes dá saudes...

otimo feriado!

muita Luz!

direitinho disse...

Um poema muito bonito nesta manhã morna e silenciosa.
O Poeta também tem obras muito bonitas e que nos dão sempre uma mensagem de vida.
Um abraço para ti e votos de que passem um bom dia de Todos os Santos.
Logo mais para a tarde os meninos vão de porta em porta pedindo o Pão por Deus.
Antigamente aceitavam mesmo um pouco de pão. Hoje querem dinheiro, rebuçados e outras guloseimas.
Ainda assim é sempre uma surpresa vê-los chegar de sacola ao ombro e depois quando partem os comentários que deixam na sua simplicidade e ingenuidade.

José Ramón disse...

Boas palavras história e interessante Greetings

Luísa disse...

Eduardo,
para já so caminho nas estradas...ainda não sei o que é tomar o trajecto alternativo do leitos dos rios, em canoas de petalas de rosas...
Adorei este poema!Que grande sensibilidade a de quem o escreveu!
Parabéns a ti pelas fotos e pela bela escolha das palavras postadas.
Parabéns ao autor do poema pela sensibilidade mostrada!
Beijinho terno

gaivota disse...

é tão necessário meditar... fugir da rotina e entrar num espaço diferente...
bom domingo
beijinhos

Martinha disse...

«Mas quando não houver
mais estradas para quem vai,
suave será a carona dos riachos
que são estradas feitas de lágrimas
de saudade dos amores viajados.»

Parece-me uma boa maneira de explicar o Carpe Diem. :)
Beijo *

MEUS PENSAMENTOS disse...

apaixonei-me pelos ultimos versos...
passei para desejar-lhe um bom fim de semana!

RaSena disse...

olá, Eduardo
vim visitar essa lagoa belissima, passear por essas fotos e palavras lindas e desejar-lhe uma boa semana cheia de paz.
abraços,