terça-feira, 15 de junho de 2010

COMO UM RIO

Clique nas fotos para ver no tamanho real


Ser capaz, como um rio que leva sozinho
a canoa que se cansa, de servir de
caminho para a esperança.
E de lavar do límpido a mágoa da mancha,
como o rio que leva, e lava.

Crescer para entregar na distância calada
um poder de canção, como o rio
decifra o segredo do chão.

Se tempo é de descer, reter o dom da
força sem deixar de seguir.
E até mesmo sumir, para, subterrâneo,
aprender a voltar e cumprir, no seu curso,
o ofício de amar.

Como um rio, aceitar essas súbitas ondas
de águas impuras que afloram a escondida
verdade nas funduras.

Como um rio, que nasce de outros, saber seguir,
junto com outros sendo e noutros se prolongando
e construir o encontro com as águas
grandes do oceano sem fim.

Mudar em movimento, mas sem deixar de ser
o mesmo ser que muda.
Como um rio.

(Thiago de Mello)

5 comentários:

"Cantinho Poético" disse...

Vim deixar meu beijinho e te desejar uma ótima quarta-feira...Beijos & Flores...M@ria

Maria Letra disse...

É deliciosa a sensação que tenho ao olhar as lindas fotos que aqui publica. Apetece mesmo estar ali ..., em cada uma.
Um abraço.

RETIRO do ÉDEN disse...

Como um rio, o meu coração cantou a melodia dele a caminho da foz...
Fotos lindíssimas.
Essa ponte de madeira!...no "retirito" haviam dessas pontes toscas, de traves de madeira...e todos os anos tinham de ser reparadas...
Durante o inverno, o rio galgava as margens e as traves toscas levando-as e arrastando-as até à foz... recordações, de outros tempos e outras épocas já distantes.
Abraço
Mer

mARa disse...

LIndo Texto!

ótima escolha, Parabéns! sempre sensivel e as imagens sempre belas, coisas de alma sensivel.

Abço!

Sonhadora disse...

Eduardo
Passei para te deixar um beijinho
Sonhadora