quinta-feira, 3 de março de 2011

PERGUNTA- ME


Pergunta-me
se ainda és o meu fogo
se acendes ainda
o minuto de cinza
se despertas
a ave magoada
que se queda
na árvore do meu sangue 

Pergunta-me
se o vento não traz nada
se o vento tudo arrasta
se na quietude do lago
repousaram a fúria
e o tropel de mil cavalos 

Pergunta-me
se te voltei a encontrar
de todas as vezes que me detive
junto das pontes enevoadas
e se eras tu
quem eu via
na infinita dispersão do meu ser

se eras tu
que reunias pedaços do meu poema
reconstruindo
a folha rasgada
na minha mão descrente 

Qualquer coisa
pergunta-me qualquer coisa
uma tolice
um mistério indecifrável
simplesmente
para que eu saiba
que queres ainda saber
para que mesmo sem te responder
saibas o que te quero dizer

Mia Couto

4 comentários:

Professora Carla Fernanda disse...

Boa noite!
Bela poesia!! Muito legal seu blog. Parabéns!!
Carla Fernanda

Sotnas disse...

Olá Eduardo, desejo que tudo esteja bem contigo!
Uma página para dois, que a muitos encantam, com tão belos poemas postados e também por belíssimas imagens que por aqui observamos!
Parabéns pela bela página para dois e que todos nós que por cá passamos e compartilhamos contigo estes belos escritos e imagens! Obrigado perlas visitas e comentários, desejo a você e todos ao redor tudo de bom sempre, abraços e até mais!

tossan® disse...

Fala amigão parabéns pela vitória do Grêmio. Gostei das fotos, principalmente a última. Tô chegando! Abraço

M@ria disse...

Sonhos dormem, mas não se evaporam
Não possuem natureza volátil,
Criam raízes onde moram
E, caso encontrem um ramo de esperança,
Não se permitem sepultar.

Regina Xavier

BOM FDS e BEIJOS MEUS! M@ria