quarta-feira, 20 de maio de 2009

CORAÇÃO DE GUITARRAS


Deixem minha alma se perder
onde quiser, até que encontre
seu grande amor de perdição.

Deixem minha alma se render
sem arrogância, sendo de flor
seu grande amor de rendição.

Permitam que ela fique muda
como sombra de minha pedra
no entardecer de uma canção.

Deixes minha alma com a tua
como acordes de uma cantiga
nas guitarras de um coração...


Afonso Estebanez

9 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Às vezes tenho a impressão
de que não devia publicar estas palavras
nascidas para viverem em surdina
ao teu ouvido.
Às vezes penso que deveria deixar no limbo
do coração
estas palavras de ti e para ti
e que tomaram imprevisivelmente a forma de canção.
Estas palavras que te colhem toda
e te deixam nua,
e me dão a impressão de que também
tenho nu o coração, em plena rua.

http://danca-dos-erros.blogspot.com

Maravilhoso poema...te amo
beijo

Layara disse...

Eduardo

As vezes assim é, assim sentimos, querer que nossa alma, vagueie entre os sentimentos e as canções.


Lindas letras.

Beijos Lilas de Muita Luz!

Everson Russo disse...

Belissimo poema amigo, que essa alma se perca em milhoes de acordes de amor...forte abraço e um maravilhoso final de semana....

www.olivrodosdiasdois.blogspot.com

Dois Rios disse...

Que essa alma se perca numa bela sinfonia de amor.

Beijos,
Inês

Uma aprendiz disse...

Uma delicia ler esse poema com esse som ao fundo.
Não imagino uma trilha sonora melhor e mais apropriada, parabéns.

uma linda sexta pra vc e seu amor.

abraço

poetaeusou . . . disse...

*
belo post,
a imagem da foto,
tem as linhas da
ponte vasco da gama-lisboa,
,
um abraço,
,
*

MEUS PENSAMENTOS disse...

premio para ti no blog ok?!

Luz Cardoso disse...

Olá Eduardo!

Que a felicidade adopte o seu coração,
que o carinho resida no seu caminho,
que os amigos leais se multipliquem,
e que a paz se faça presente...
sempre em sua vida!

Boa semana!

Abraço de Luz
Namastê!

Ricardo Calmon disse...

Dissolvestes alma nua e crua sua,em chuva e vento formas,para que todos nós aspirássemos e sentíssimos poesia infinita sua!

Te abraço e reverencio,poeta!

Viva A Vida!