segunda-feira, 1 de junho de 2009

O LENÇO DELA


Quando, a primeira vez, da minha terra
Deixei as noites de amoroso encanto,
A minha doce amante suspirando
Volveu-me os olhos úmidos de pranto.
Um romance cantou de despedida,
Mas a saudade amortecia o canto!
Lágrimas enxugou nos olhos belos...
E deu-me o lenço que molhava o pranto.
Quantos anos, contudo, já passaram!
Não olvido porém amor tão santo!
Guardo ainda num cofre perfumado
O lenço dela que molhava o pranto...
Nunca mais a encontrei na minha vida,
Eu contudo, meu Deus, amava-a tanto!
Oh! quando eu morra estendam no meu rosto
O lenço que eu banhei também de pranto!

ALVARES DE AZEVEDO

7 comentários:

Bela disse...

Lindo e romântico este poema. Quantos amores perdidos e separados vivem no mundo...

Um beijo e boa semana

Pena disse...

SENSÍVEL e ADMIRÁVEL AMIGO:
Um poema lindíssimo, fruto do seu dedicado amor para com alguém que fez parte da sua vida e, que faz comover e sensibilizar, pela pureza e beleza imensas.
"...Lágrimas enxugou nos olhos belos...
E deu-me o lenço que molhava o pranto.
Quantos anos, contudo, já passaram!
Não olvido porém amor tão santo!
Guardo ainda num cofre perfumado
O lenço dela que molhava o pranto...
Nunca mais a encontrei na minha vida,
Eu contudo, meu Deus, amava-a tanto!..."

Simplesmente, LINDO!
Adorei. Tem talento. Génio. Humanismo e um extraordinário sentir maravilhoso. Extraordinário.
Bem-Haja, amigo.

Abraço de um grandioso respeito e estima enorme...
Sempre a lê-lo atentamente perplexo e boquiaberto pela sua magia poética.

pena

OBRIGADO pela sua amizade que prezo muito.
Bem-Haja, admirável amigo.

Everson Russo disse...

Belissim poema, quantos e quantos amores e almas não forma banhados pelas mais sinceras lagrimas? tenha um excelente dia de paz....forte abraço.

Rach disse...

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Uma semana cheia de coisas boas :)

Cáh disse...

Lindissima escolha!


beijos!

Multiolhares disse...

Existem amores doridos,jamais esquecidos

Namastê

neide disse...

Oi meu amigo Eduardo.

Lindo poema, porém triste.
Quantos amores não estão separados, sofrendo?
Seria bom se todos os apaixonados ficassem juntinhos, felizes.

Bjss, ótima semana.