sexta-feira, 2 de julho de 2010

¨NAVEGAR SEM RUMO¨


Rótulo nenhum nomina ao que sinto agora
Entre as brumas do alto mar é meu lugar...
E para não soçobrar sigo lançando fora
Todos os pesos que trago nos cantos da alma

Deito fora os rosários de memórias desfiadas

Meu peito inda geme na mornidão dessa utopia
Caixas, vários tamanhos, todas cheias de nada
Memórias descoloridas, enferrujada alegria

Navegando em alto mar, sem roteiros ou manual

Só o horizonte importa e o imenso azul turquesa
Sou imagens que descubro, nessa exótica beleza

Revelo a nudez da alma, sempre o mesmo ritual

A sinfonia dos pássaros leva o sentimento torto
As velas arrastadas pelos ventos ao meu porto

Glória Salles

5 comentários:

Amor feito Poesia disse...

Tem os que passam
e tudo se passa
com os passos já passados
tem os que partem
da pedra ao vidro
deixam tudo partido
e tem, ainda bem,
os que deixam
a vaga impressão
de ter ficado

Alice Ruiz

Bom Fds com amor e posia...M@ria

Amor feito Poesia disse...

Tem os que passam
e tudo se passa
com os passos já passados
tem os que partem
da pedra ao vidro
deixam tudo partido
e tem, ainda bem,
os que deixam
a vaga impressão
de ter ficado

Alice Ruiz

Bom Fds com amor e posia...M@ria

Rosane disse...

Oi maninho
Ta muito lindo esse teu blog, sinto muito não conseguir vir mais vezes para olhar e comentar, adoro as tuas fotos e as poesias.
Bjs e te amo

in natura disse...

Sem rotular, você é um grande fotografo. Eu vi de perto. Beijuss

wcastanheira disse...

POesia é o mar batendo na proa...uma delícia, sou um marinheiro cinquentenário q muito singrou mares, adoro qualquer texto, foto q tenha água, navio, velas ao vento, sou um apaixonado pelas coisas do mar, sua página está show, bem marítima por isso tudo adorei e acho q vc merece um abraço e saudações marinheiras!!!!