terça-feira, 17 de agosto de 2010

ASSIM ...

Clique nas fotos para ver no tamanho real


Um poema desabrochou
Entre a rima e a cor
e de amor falou

E me fiz estrela
No silêncio do teu olhar no meu.
E na íris do profundo céu
Uma nuvem dissipou
o motivo da saudade, a dor

E me fiz melodia
Ao abraçar-te do meu jeito
e teu coração murmurou;
bateu emocionado no peito.

E me senti
Acolhida, aninhada,
Esqueci de mim
Para amar a ti.

Mergulhei enfim naquele afluente.
E o sol não poupou nosso instante.
Invadiu ardente,
possuindo flores carentes.


Iveti Specorte ♥

4 comentários:

☆Fanny☆ disse...

Olá :-)

Entrar no teu blogue é fazer viagens de sonho. Poesia e imagens que seduzem a alma!

Um beijinho*

HSLO disse...

demais essa poesia...linda....
abraços


Hugo

Sonhadora disse...

Meu querido Eduardo
O poema é belo e mais lindo fica com as imagens maravilhosas.

beijinhos
Sonhadora

"Cantinho Poético" disse...

O amor eterno é o amor impossível.
Os amores possíveis começam a morrer
no dia em que se concretizam.

Eça de Queiroz

Saudações Poéticas!! M@ria!