sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

HOJE, CONFESSO


Hoje, confesso, acordei com vontade de ser feliz.
Amarrei, até, no pulso o amor-perfeito
que foi secando no meu peito e retomei a velha máxima:
não deixar que qualquer angústia atinja o coração.
Um castelo de areia, é tudo quanto quero
para acostar o meu barco de papel.


Aproxima os olhos da vertigem e estremece
com a luz espessa, que brilha nos teus ombros.
No céu do teu país, as estrelas podem ser barcos,
se quiseres sulcar os mares do coração em desordem.

Graça Pires

7 comentários:

HSLO disse...

Confesso que sua postagem ficou lindo demais.

abraços
de luz e paz

tossan® disse...

É a velha máxima: A primeira foto é um cartão postal e o poema bem escolhido é de alto nível como a foto. Abraço

Sotnas disse...

Olá Eduardo, desejo que esteja tudo bem contigo!
Perfeito, a imagens, o poema e seu espaço Tudo deveras agradável!
Desejo pra você e todos ao redor sempre, grande abraço e até mais!

Sotnas disse...

OPS. corrigindo, o certo : as imagens e não a! Obrigado e desculpe!

Sol disse...

Aqui tudo sempre é muito lindo e inspirador.Peço-te desculpas por minha ausência,mas muitas coisas mudaram.Agradeço ainda as palavras de incentivo que só poderiam vir de um coração amigo.Desejo à vc toda felicidade do mundo.Beijão!

Xana disse...

Olá Eduardo, passo por aqui mas nem sempre comento, hoje me apeteceu dar um alô, e desejar um Feliz Natalcheio de amor e alegria!
beijinhos

Sandra Helena Queiróz Silva disse...

Olá Eduardo!

Desejo um Natal repleto de alegrias junto dos seus, e que a vida renove no ano seguinte, com mais realizações e bençãos.

Beijos de Luz!